The Elements of Typographic Style – Uma revisão

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Por Nuno Cruz,
Designer Gráfico AJNET,


O livro que exalta a alma da tipografia, um guia sagrado para os designes gráficos que buscam “os costumes tribais da floresta mágica”.

Uma das maiores paixões (se o podemos chamar assim) para qualquer designer é a tipografia. Serifadas ou não, retas, redondas, altas, baixas, o tipo de letra utilizado em qualquer trabalho é a sua personalidade, o seu ser mais profundo que nos transmite a sua essência.

Nos meus tempos de faculdade (já há alguns anos), este livro era considerado uma bíblia para os designers gráficos.

Nada melhor do que começar com um pequeno excerto do prefácio deste livro.

“A tipografia faz pelo menos dois tipos de sentido, se é que faz algum sentido. Faz sentido visual e histórico. O lado visual da tipografia está sempre em exibição, e os materiais para

o estudo de sua forma visual são muitos e difundidos. A história das formas das letras e seu uso é visível também, para aqueles com acesso a manuscritos, inscrições e livros antigos, mas de outros está em grande parte oculta. Este livro, portanto, cresceu e se tornou algo mais do que um pequeno manual de etiqueta tipográfica. É o fruto de muitas caminhadas longas no deserto de letras: em parte um guia de campo de bolso para as maravilhas vivas que são encontradas lá, e em parte uma meditação sobre os princípios ecológicos, técnicas de sobrevivência e ética aplicáveis. Os princípios da tipografia, como eu os entendo, não são um conjunto de convenções mortas, mas os costumes tribais da floresta mágica, onde vozes antigas falam de todas as direções e novas vozes se movem para formas não lembradas.”

Este livro contém mais do que eu sempre quis saber sobre tipografia. Ele descreve não apenas como usar fontes, mas também como criá-las, explicando a matemática e as ciências envolvidas no design de fontes. Também descreve técnicas de layout de texto nas páginas. Ele revela a história da tipografia desde os dias do barro e do papel, à invenção da imprensa, até a tipografia digital moderna. Bringhurst tem um estilo de escrita elegante e relaxante que é um prazer de ler.

Os capítulos variam em assuntos de “Ritmo e Proporção” a “Escolhendo e Combinando Tipo” e incluem quase todas as questões, envolvendo caracteres tipográficos, legibilidade, layout e até relações entre página e grade. Bringhurst fornece a sua própria opinião sobre a classificação de tipo, evitando termos como “Velho Estilo” e “Moderno” para termos menos confusos e mais historicamente associativos como “Renascentista” e “Romântico”.

Para mais ideias subscreva

VAMOS IMPRESSIONAR JUNTOS?